ESPN exibe o documentário “Viajantes Radicais, pelo caminho de Lévi-Strauss”

Movies and DocumentariesTV Programming

ESPN exibe o documentário “Viajantes Radicais, pelo caminho de Lévi-Strauss”

To Tweet this release:  http://es.pn/crogI3

O filme refaz o caminho percorrido pelo antropólogo francês em sua passagem pelo Brasil na década de 30 e une história e esportes de ação. A estréia acontece nesse sábado (30), no canal ESPN Brasil

São Paulo, 29 de outubro de 2010 – Imagine cruzar mais de quatro mil quilômetros pelo Brasil, passando pelos campos do interior do Paraná, pelo Pantanal, Cerrado a Amazônia. Inclua nesse caminho o estudo de quatro diferentes sociedades indígenas, cada uma com sua própria organização, cultura e religião. Para completar a aventura, divida o trajeto em duas expedições e viaje em velhos caminhões, mulas, cavalos e canoas. É exatamente isso que o antropólogo franco-belga Claude Lévi-Strauss fez entre 1935 e 1939. Movido pela curiosidade, ele desbravou uma das regiões mais desconhecidas do mundo na época e, setenta anos após sua partida do Brasil, uma turma também apaixonada pela aventura refaz o seu percurso que será exibido no documentário “Viajantes Radicais, pelo caminho de Lévi-Strauss”, nesse sábado, dia 30 de outubro, às 21h30, no canal ESPN Brasil.

*Foto: Caio Vilela
*Foto: Caio Vilela

A expedição começa pela cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul. Quando passou por ali Lévi-Strauss se abrigou, durante um temporal, em uma das 366 cavernas da Serra da Bodoquena. Seguindo seus passos um time de experientes mergulhadores explora algumas das mais belas cavernas da região, como o Abismo Anhumas e a Gruta do Mimoso. Considerado um dos mais arriscados esportes de aventura, ele permite que os atletas flutuem em diversos túneis e salões, vendo de perto incríveis formações calcárias com milhares de anos. Traços do passado ecoados no presente. 

Em busca desses mesmos traços, Lévi-Strauss foi até os índios Kadiwéu, que guardavam complexos desenhos corporais de uma época que ainda dividiam sua sociedade em castas, com nobres, guerreiros e escravos. Atualmente as mulheres continuam fazendo os mesmos desenhos do passado e essa sociedade ainda guarda as animadas corridas a cavalo, resquícios de sua tradição guerreira.

Subindo pelo Mato Grosso, a expedição conhece os Bororo, uma das mais complexas sociedades indígenas do mundo. Com ela, Lévi-Strauss construiu seu universo de oposições, base do pensamento da antropologia estrutural. É registrado ainda o ritual funerário Bororo, com cenas idênticas ao que foi filmado por Claude Lévi-Strauss em 1938.

Mais ao norte, a equipe entrou no território dos Nambikwara. Os índios que mais fascinaram Lévi-Strauss pela sua simplicidade hoje lutam para manter seu território. Ameaçados pelas grandes lavouras de soja e por uma rodovia que corta a terra indígena, eles preservam sua cultura através do seu mais importante ritual, a Festa da Menina Moça.

Muito próximo à aldeia está Utiariti, um conjunto de cachoeiras que impressionou Lévi-Strauss em 1938 e o obrigou a parar a expedição por um dia somente para observar as belezas do lugar. Nesse mesmo local, o canoísta Pedro Oliva quebrou o recorde mundial de queda de cachoeira em caiaque, ao despencar de 38 metros. O cenário lembra as narrativas do Mundo Perdido, com desafios ainda maiores para o atleta, com cachoeiras de até 90 metros de altura.

Entrando em Rondônia o documentário apresenta os índios Amondawa, um grupo Tupi-Kawahib isolado no meio da Amazônia. Atualmente eles enfrentam o problema do desmatamento e dos caçadores que invadem seu território. Esse lugar marcou o final da viagem de Claude Lévi-Strauss em 1939, quando teve que enfrentar, de canoa, as diversas corredeiras dos rios da região. Agora, quem enfrenta o mesmo desafio é a equipe bicampeã mundial de rafting Bozo D’água, em um verdadeiro show de remadas técnicas, captadas com câmeras de alta definição.

Além de refazer a aventura de Lévi-Strauss através dos esportes, o documentário ainda entrevista alguns dos maiores nomes da antropologia mundial, como Philippe Descola, Françoise Héritier, Sylvia Caiuby Novaes e Anne-Christine Taylor. A respeitada ONG inglesa Survival International também participa do roteiro com valiosos depoimentos que associam a manutenção dos territórios indígenas com a preservação da floresta amazônica.

A produção ainda apresenta trechos inéditos na TV brasileira de entrevistas de Claude Lévi-Strauss, um dos maiores pensadores do século XX. Nesses depoimentos ele conta de maneira apaixonada como o Brasil influenciou em toda sua obra. Uma viagem entre o passado e o presente, em cenários ainda repletos de desafios, exotismo e fascínio.

Viajantes Radicais, pelo Caminho de Lévi-Strauss

Direção: Jader Lago
Duração: 50 minutos
Produção: ESPN Brasil
Co-produção: Canal Azul

Confira os horários:

ESPN Brasil

Dia 30/10 – 21h30 – Inédito

Reprises:

ESPN HD

Dia 30 – 0h00

ESPN

Dia 31 – 20h00

Botão Voltar ao topo